26 de jan de 2009

Os melhores meteorologistas da cidade – Por João Guilherme



Antes mesmo de cair a primeira gota de chuva ou de você comentar com o seu vizinho no elevador que vai chover, os melhores metereologistas da cidade do Rio de Janeiro entram em ação.
São milhares espalhados por toda a cidade. Olham para as nuvens do céu, observam milimetricamente cada movimento de nuvem e tomam uma decisão: retiram das sacolas escondidas em algum lugar perto de onde estejam, guarda-chuvas que vendem a 5 ou 10 reais, dependendo do lugar e da intensidade da chuva. Trabalhadores, estudantes...Gente de todo o tipo (logicamente aqueles que não gostam de chuva) dirigem-se àqueles nobres ambulante que prestam um serviço a todos aqueles que não esperavam a chuva naquele momento. Isso sem contar, é claro, com aquelas pessoas que esqueceram o guarda-chuva no trabalho, na escola, na faculdade ou em algum outro lugar qualquer. A chuva, enfim, faz a alegria desses milhares de meteorolgistas-ambulantes que encontram no fenômeno natural uma fonte de renda.


Retirado de: http://culturasemlimites.blogspot.com/


Lendo o Blog do meu amigo João Guilherme, deparei com esse texto que despertou meu interesse. É uma análise bem-humorada e leve de uma cena muito comum. Muito bom na minha opinião.

Sobre o post anterior...

Primeiro post de 2009.
Já estamos em 26 de janeiro e só agora encontrei algo que realmente valesse a pena ser postado aqui. Uma comparação-denúncia, capaz de deixar qualquer um perplexo.
Muitas décadas se passaram desde o horror do regime Nazista, do Holocausto e dos campos de concentração, mas parece que pouca coisa mudou de fato.
O grande interesse que esse assunto desperta em mim diz respeito ao quão longe pode o ser humano chegar. É incrível perceber a brutalidade e falta de humanidade dessas imagens, como o ser humano pode ter esse senso de destruição tão aterrorizante. E o pior: a atemporalidade de tudo isso. A evolução trouxe tecnologia, comforto e praticidade para alguns, mas as mudanças que deveriam ocorrer de fato não ocorreram. E nesse ponto eu me questiono: "mudanças? que mudanças?". De nada adianta todo esse "avanço" deslumbrante se o coração do homem não puder sentir e saber o verdadeiro propósito de tudo isso.
A humanidade quer vida, não morte. Quer paz, não guerra. Quer o conforto de todos, não o conforto para alguns e sofrimento para os demais. A humanidade clama por mudanças. A humanidade aguarda respostas à esperança que deposita nos homens.
Falta o primeiro passo... 2009 está aí para isso.
E Barack Obama que se cuide.

Saudações a todos e um feliz ano novo atrasado.


Música: What I´ve Done - Linkin Park

Mudanças?