9 de nov de 2010

Fardo - Por Livia Leal


Do peso de ser, o peso do mundo pesa sobre mim. Ser pesa sobre o mundo. E o mundo pesa sobre mim, que sou. Se não fosse, o mundo pesaria pelo que deixaria de ser, pelo que o medo me cala e me faz não ser. O mundo pesa sobre o que grito, pesa sobre o que calo. Pesado é o direito de ficar mudo, mais pesado é o preço da denúncia. A transgressão pesa sobre a paz e a renúncia pesa sobre a sede de vida.

Pesada é a escolha diária entre viver e encarar a vida.

3 comentários:

Aline disse...

Há quem diga que cada mente é um mundo e, ainda assim, acho que são muitas as correntes que nos prendem. Quando não me sinto livre nem no meu mundo particular, o peso da mordaça me extravasa pelos olhos.
Quem vê, não entende que mil anos se passam aqui dentro, enquanto a vida se arrasta lá fora. Vida que exige, demanda e me faz de rato na roda.
Bom, precisava dizer.

Euclides disse...

Se me permite, o toque poético:

>>> Devaneio do Fardo

Foi-me dada a incumbência
Caí triste em triste sorte
O peso então fez-se obeso
Que forças são que me acompanham?
Minha ode é ter ficado e indo
Além do sono, fiquei vivo
Meus vinte e dois tempos em missão
Tudo falta agora em meu peito
Andaste meio caminho à procura do teu alvo
Cá estou a meio palmo desarmado
Mas enganado fui pelo aviso não implícito
De toda sorte fui mal amado
E o que sangrou em mim tornou-se mágoa
Agora só espero a ordem dada
Dever que é mais dor que honra e glória
Saiu a nova demanda enfaixada
Devo prosseguir e aceitá-la?
É dor que me persiste, invade e cala
Mundo mundo vasto mundo
Não me deste o tom da idade
Engrosso o coro a varrer contato
Existo de fato a suportar o trato
Muito embora a mim seja só um fardo

- Euclides Araújo

Ari Arocha, disse...

Adorei o post.
Gosto do jeito como tu escreves, Livia.
"Pesado é o direito de ficar mudo, mais pesado é o preço da denúncia." - demais mesmo.