27 de dez de 2012

O acaso – O Curioso Caso de Benjamin Button

 
 

 
“Às vezes estamos em uma rota de colisão e não sabemos. Quando é um acidente ou destino, não há nada que podemos fazer.
Uma mulher em Paris está indo fazer compras. Mas ela esqueceu o casaco e volta para pegá-lo. Quando ela pega o casaco, o telefone toca. Então ela para para atender e conversa por alguns minutos. Enquanto a mulher está no telefone, Daisy ensaia na Casa de Ópera. E enquanto ela ensaia, a mulher que estava no telefone sai para chamar um táxi. Um motorista de táxi se adianta e deixa uma cliente mais cedo. E ele para para tomar uma xícara de café. Enquanto isso, Daisy continua ensaiando. E o motorista do táxi que deixou o cliente mais cedo, e parou para tomar café, pega a mulher que está indo fazer compras e chamou o táxi mais cedo. O motorista do táxi é forçado a parar devido ao homem que atravessa a rua e está indo trabalhar 5 minutos depois do que normalmente iria, porque ele esqueceu de ligar o despertador. Enquanto o homem atrasado atravessava a rua, Daisy termina o ensaio e está tomando seu banho. Enquanto Daisy está no banho, o motorista do táxi está esperando fora da butique a mulher pegar o embrulho que não está empacotado porque a garota que devia estar empacotando brigou com seu namorado na noite anterior e esqueceu. O pacote foi entregue e a mulher voltou para o táxi, que é bloqueado por um caminhão de entregas, enquanto Daisy está se vestindo. O caminhão de entregas sai e o táxi pode se mover, e a Daisy que acabou de se vestir está esperando por um amigo que está amarrando os sapatos. Enquanto o táxi está parado por causa de um sinal, Daisy e o amigo saem pela porta de trás do teatro.
E se só uma coisa acontecesse diferente, se a garota não tivesse brigado com o namorado ou se o caminhão de entregas tivesse saído momentos antes, ou se o pacote tivesse sido entregue prontamente, que no caso a garota não teria brigado com o namorado, ou o homem tivesse ligado o alarme e tivesse acordado 5 minutos mais cedo, ou se o motorista de táxi não tivesse parado para tomar uma xícara de café, ou se a mulher não tivesse esquecido o casaco e pego o primeiro táxi, Daisy e o seu amigo teriam atravessado a rua e o táxi teria seguido adiante.
Mas a vida é o que é, uma série de acontecimentos e acidentes, que homem algum tem controle. E o táxi não seguiu adiante. O motorista se distraiu um momento antes e o táxi atropelou Daisy.”